sábado, 5 de março de 2016

Aprendendo a cuidar dela....

O dia mal amanhecia e eu já estava de pé admirando minha filha, noite longa e dura de passar, pois a poltrona era pequena, dura e bem desconfortável. As duas eu sei que dormiram um pouco, pois sempre verificava se estava tudo bem a cada momento e ficava olhando para elas.

Acho que de hora em hora a fome batia e ela chorava e la vinha mais uma mamada...eu pensava “..nossa quanta fome tem essa menina.”

Desci para tomar um café, pois estava na expectativa. Já tinham avisado que a qualquer momento ia chegar a pessoa  do cartório para fazer o registro de nascimento. Finalmente ela teria nome e sobrenome...

Por volta das 10 horas a pessoa do cartório chegou, entreguei todos os documentos solicitados e falei com  orgulho e alegria o nome dela. Com a certidão em mãos mostrei orgulhoso para todos...

Um pouco mais tarde entra uma médica no quarto e uma enfermeira para fazer o exame da orelhinha (Tecnicamente chamado de teste de emissão otoacústica) e o teste do olhinho (teste do reflexo vermelho) fiquei aflito, mas ela disse que estava tudo bem e que no dia seguinte voltaria para fazer o teste do pezinho...Graças a Deus.

Já próximo a hora do almoço a enfermeira veio avisar, seria a hora do primeiro banho dela, quanta alegria e medo ...ela mesma deu o primeiro banho e mostrou como deveríamos fazer em nossa casa. Nossa dá um medo tão grande parece que vai quebrar ao meio...banho tomado, linda e cheirosa...hora do soninho.

Meus Pais tinham acabado de chegar quando o médico que a trouxe ao mundo entrou para examinar minha esposa, receitar os remédios e vitaminas, então pediu para ficarmos aguardando um pouco do lado de fora, já íamos saindo quando o médico pegou a nossa filha nos braços e a colocou nos braços de meu pai, foi um momento de rara beleza e de grande emoção para uma pessoa de então 80 anos, ele nem lembrava mais como segurar um bebê e principalmente mais uma netinha, ele ficou balançando ela pelo corredor com toda felicidade do mundo, enquanto isso as avós ficavam discutindo com quem ela se parecia. A noite ia chegando e a presença da tia, dos tios e avós alegravam o quarto de tanto amor e carinho.

Já era noite e ia me ajeitando para mais uma longa noite. Já pensava em voltar para casa, finalmente estaríamos todos na Nossa Casa. Eu pensava, “..Será que vamos saber cuidar dela...”